Rss Feed
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

  1. Alguns artistas da música conseguiram a façanha de se tornar eternos, ultrapassando barreiras como o tempo e até mesmo a morte. A ida à carinhosa exposição Viva Elis, em passagem pelo Centro Cultural Banco do Brasil, no centro do Rio de Janeiro, no último domingo, me atestou aquilo que eu já suspeitava. A obra de Elis Regina tem essa estranha força de encantar mesmo gerações de pessoas que nunca a viram num palco, que não estavam lá nos lançamentos de seus discos e especiais de TV.


    Ver crianças de 9, 10 anos balançando as cabeças ao colocar um fone de ouvido e escutar músicas e entrevistas de Elis, assim como nossos pais anos atrás, imersas e atentas, é realmente curioso. Representantes desta nova geração acostumada a ouvir cantoras, brasileiras ou não, com impostações de voz à moda “american diva” e suas batidas extremamente eletrônicas, estavam ali se deliciando ao som de originais interpretações viscerais e emocionadas da Pimentinha (um dos apelidos de Elis).

    E eu também, que nasci um ano e meio depois de sua súbita morte, estava ali envolvido com projeções em telões de alta resolução, sons remasterizados e gravações originais de uma época que não vivi, mas que me remetiam a um sentimento incoerente de nostalgia. Mas saudade de algo que não vivi?

    Talvez tenhamos herdado de nossos pais essa estranha mania de gostar de Elis. Talvez o culto à sua obra foi, sim, transmitido a nós por pessoas que estavam lá, sobretudo pela mídia que, neste caso, soube de alguma forma valorizar e perpetuar o talento dessa grande artista. Talvez a marcante presença de uma “herdeira” do talento de Elis, sua filha e também cantora Maria Rita, tenha despertado o interesse das novas gerações por sua obra. 

    Talvez estas sejam respostas possíveis à minha indagação, porém nenhuma delas é completa. Basta um olhar sobre o cenário musical pra constatar, por exemplo, tantos talentosos filhos de notáveis artistas da música brasileira que tentam levar a obra dos pais às novas gerações e não têm êxito. Basta reconhecer artistas que, apesar de toda mídia em torno de suas memórias musicais, não ultrapassam a barreira da simples memória. Basta olhar a prateleira de vinis de nossos pais e avós pra ver que tanta gente que eles gostam não passam de “música velha” pra nós, os filhos e netos.

    A obra de Elis, porém, é extremamente viva, como o proposital nome do projeto que está levando exposições e shows sobre a artista para os cinco cantos do Brasil. Suas interpretações cheias de teatralidade e, ao mesmo tempo, verdade conseguem falar a todos, pois tocam em temas universais e permanentes. A qualidade musical dos parceiros que escolheu, de músicos e seus arranjos a compositores e suas poesias, agrada aos ouvidos, sem distinção.


    A melhor definição para a comoção causada por Elis Regina e sua música saiu de forma simples da boca da minha boa companhia à exposição, minha noiva. Disse, quando saíamos da última sala que visitamos – onde tivemos acesso à uma playlist interativa da qual podíamos ouvir as gravações de qualquer disco da cantora e ainda ler informações de encartes e matérias jornalísticas:

    - Se desse a gente não saía mais daqui, né? - Elis não saiu...


    | |


  2. Eles já chegaram por aqui

    12 de setembro de 2012

    Imagina nas Olimpíadas...


     


    | |